Fragmentos de um amor sentido e não vivido

February 15, 2017

A Carolina confessou-me e pediu-me, à sua maneira, para partilhar:

 

«Todos os dias penso nele. Não estou a brincar, nem a exagerar. Todos, mesmo todos. Os lábios doces que não senti e a chama luminosa que sempre esteve presente. Mais ninguém a via, mais ninguém a sentia. Apenas eu! Desfrutei dos bons dias que passei com ele, sorrindo apaixonada, cedendo o interior mais profundo do meu ser através do meu olhar. Ele retribuiu e depois, num dia marcadamente especial, fizemos a nossa despedida. Ali, naquele momento, foi o dia do nosso desencontro. Porquê? Não sei! Talvez um dia venha a saber. Talvez. Só sei que todos os dias penso nele. Não sei se ele todos os dias pensa em mim, mas sei que nalgum momento há-de pensar com carinho. Agora não sei, mas já teve dias na sua vida que pensou com muita paixão, mas não avançou. Medo? Destino? Vou confessar. Eu quero voltar a encontrá-lo para ficar com ele para sempre. O meu marido, por quem nutro um carinho enorme, não sabe. É a minha história secreta. Agora estou a partilhar consigo. A primeira pessoa com quem me consegui abrir. Sabe, há uma coisa que me deixa feliz. Ele casou e encontrou uma mulher que o deixa imensamente feliz. Isso custa-me! Amando-o, estando há dias sem fim apaixonada por ele, custa-me! São anos em que diariamente ele está comigo, no meu pensamento, no meu coração, na minha alma, dentro de mim. Eu digo para mim própria que fico feliz com o melhor para ele e vejo-o a viver uma relação feliz. Estou a mentir para comigo mesma? Não sei. É confuso. Eu acho que estou feliz por vê-lo feliz e não odeio a mulher dele porque parece fazê-lo muito feliz, mas eu quero-o para mim, não pela posse, claro! Quero-o, no futuro, junto do meu peito. Quero viver intensamente um amor que está cá. É difícil viver assim! A espera dilacera o meu coração, mas a esperança de um reencontro verdadeiro abre-me um sorriso. Ao mesmo tempo, vejo-o tão apaixonado e desejo que seja muito feliz. Questiono-me se este amor é mesmo para ser vivido ou apenas para ser sentido! Sei que não quero forçar nada. Sinto que não devo fazê-lo. Mas, talvez, nunca senti nada assim na minha vida e é difícil aceitar que tão poderosa energia não possa ser partilhada com ele. Não sei se estou aqui consigo para pedir ajuda. Talvez queira apenas desabafar por não aguentar mais guardar dentro de mim. É difícil viver isto sozinha! Talvez queira que, já que estou aqui a dizer-lhe tudo isto, partilhe com alguém e talvez essas palavras cheguem ao coração dele. Pode fazê-lo? Não precisa responder. Eu sei que vai fazê-lo. Como poderia pensar outra coisa? Estou aqui a partilhar algo tão genuíno e profundo… Já viveu algo assim? Não é que procure respostas, mas estou aqui a falar e talvez tenha uma história semelhante para partilhar comigo. Não precisa de fazê-lo. Esteja à sua vontade. Sabe, às vezes penso se haverá algo maior do que o amor. O que sinto por ele é tão… diferente! É algo incontrolavelmente bom, mas, ao mesmo tempo, esta ausência de resposta, esta dúvida, este tempo que passa, esta relação feliz que ele está a viver… Não sei. Estarei a alimentar uma ilusão? Não é nenhuma obsessão, lhe garanto. Não estou doente. Apenas quero viver o que não vivi. Aliás, o que não vivemos. O que sinto é muito mais forte que um ato de egoísmo. Eu quero partilhar com ele e sei que ele também tem muito para partilhar comigo. Seja lá o que esse “muito” possa ser. É poderoso, é avassalador, é autêntico, é insubstituível, é mágico! O cheiro, o toque, o sorriso, a voz, a forma de ver o mundo, o coração belo, … como poderia esquecer? Sabe, um dia talvez o encontre e possa viver com ele tudo o que sinto. Até porque, pensando bem, ainda temos muita coisa para falar. Na despedida ele deu-me algo muito especial, que ainda guardo comigo e… Amanhã posso voltar cá?».

 

Seria ingrato, injusto e abusivo comentar esta partilha, sendo a Carolina real ou fictícia. O máximo que posso fazer é dizer o seguinte: obrigado pela leitura. Querem saber se ela voltou no dia seguinte? Lamento, mas neste momento não estou autorizado a dizer…

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Ouço tanto «eu» entre nós!

September 29, 2020

1/8
Please reload

Posts Recentes

September 21, 2020

September 7, 2020

August 24, 2020

July 12, 2020

June 30, 2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags