Outra vez? [a carta da Helena ao seu psicólogo]

June 26, 2018

Pedro, sendo meu psicólogo há muito tempo, conhecendo-me como ninguém me conhece, decidi escrever-lhe esta carta. Na era da tecnologia, onde tudo se faz através delas, quero voltar aos tempos antigos e escrever-lhe uma carta. Não só porque quero usar métodos menos comuns nos tempos modernos. Na verdade, começo a ganhar alguma aversão às tecnologias. Sabe bem a razão! É verdade, aconteceu outra vez! Tudo parecia bem encaminhado… mas ele mandou-me uma sms, agora mesmo. Só me apetece chorar! Sabe o que ele disse? “Querida, acho que as coisas não vão funcionar connosco. É melhor cada um ir para seu lado! Talvez a culpa seja minha, mas não dá mais!”. Acha normal? Este será o meu destino? Até ontem estava tudo bem, eu faço tudo por ele, sempre achei que ele fazia tudo por mim e já namoramos há quase um ano! Afinal, qual é o problema? No passado, o António disse-me que estávamos a avançar muito rapidamente e que não conseguia assumir esse compromisso, o João disse-me que estávamos numa fase difícil da vida dele e que não conseguia estar com ninguém, o Bernardo apaixonou-se pela Ju (a minha melhor amiga!)… e agora o Francisco diz-me isto?! Todos eles por sms! Todos eles a fugir! O problema só pode ser meu! É o meu destino? O que mais posso fazer? Não estarei destinada para ter um compromisso sério e que dure no tempo? Não poderei realizar os meus sonhos de ser feliz com alguém e de criar uma família? A idade está a passar e eu começo a perder a esperança! É verdade que não sou a mulher perfeita, mas aprendi consigo que não tenho de ser e acredito quando me diz, citando-o, «um homem vai amá-la pela pessoa que é, com todas as belas imperfeições que a caraterizam». Preciso da sua ajuda! Diga-me, honestamente, acha mesmo que posso ser feliz com alguém? Que alguém me vai amar de verdade? Eu pensava que com o Francisco seria para sempre, mas… bem, verdadeiramente, eu gostava que ele se tivesse enganado, arrependido e que me pedisse desculpa pela sms… acho que até sou capaz de fazer de conta que não enviou nada! Sim, sou capaz de perdoá-lo. O Pedro sabe o quanto amo o Francisco, mas ele já não me ama! Pensei que me amava! Mas tudo acabou! Estou confusa! Dê-me uma data e um horário para ir ter consigo, mas, por favor, não o faça por sms, nem por e-mail. Envie-me uma carta. Obrigado!

 

[ Mesmo com o que aconteceu agora, neste preciso momento, vou manter o que já escrevi e vou enviar a carta para si. Vai pensar que sou louca, mas confio em si. ]

 

Pedro, sinto que estou a escrever um novo capítulo a partir de agora. Nem imagina! Acabei de receber uma nova sms do Francisco! Ele disse o seguinte:

 

«Desculpa, querida! Mandei-te uma mensagem estúpida! Talvez fruto da minha insegurança! Talvez influenciado pelos meus colegas que todos os dias me dizem «não tens estofo para a tua namorada! Ela é muito melhor do que tu!». Talvez porque gosto tanto de ti que tenho imenso medo de te perder! Talvez porque nunca tenha sido feliz e agora desconfio da felicidade a dois! Talvez porque a Priscila, a namorada do Osório, insiste em me dizer que tu não és mulher para mim… Perdoas a minha estupidez? Quero-te muito! Já não sei viver sem ti! Está na hora de vivermos sem as opiniões dos outros, principalmente daqueles que nada de bom nos trazem!».

 

Eu vou perdoá-lo! Eu vou esquecer o que aconteceu! Eu acredito nele! Eu acredito no nosso amor! Eu sei que ele não é perfeito e consigo admirá-lo assim, tal e qual como ele é. Esta relação não é igual às outras! Vou dar o meu melhor nesta relação, procurando seguir especialmente aquele conselho que me deu na última consulta: «Cultive um amor-próprio e levo-o para as suas relações. Semeie o amor pelos outros, levando-o ao coração deles. Receba o amor dos outros e instale-o dentro de si.». A minha caminhada não está a ser nada fácil! O Pedro sabe disso! Mas estou na luta, como lhe costumo dizer! Deve achar-me louca! Sou assim! Posso ser louca, mas não desisto de ser uma doida feliz. Talvez instável, talvez inquieta, talvez apenas uma mulher que quer ser feliz e construir uma família. O Francisco e eu conseguiremos vencer esta longa caminhada. Eu acredito! Eu vou continuar a trabalhar para conquistar o que me faz feliz. Contudo, quero na mesma estar consigo. Pedro, envie-me uma sms com dia e hora. Não precisa de ser por carta. Aí estarei! Até breve! Obrigado!

 

Um beijo.

Helena

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Ouço tanto «eu» entre nós!

September 29, 2020

1/8
Please reload

Posts Recentes

September 21, 2020

September 7, 2020

August 24, 2020

July 12, 2020

June 30, 2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags